________

26 agosto 2010

Propostas dos candidatos a presidencia

Pesquisei um pouco sobre as propostas e o "passado" dos candidatos a presidência do Brasil. Eu sou a favor de Marina Silva, mas coloquei propostas de todos, sem dar preferência a Marina.

Lembrem-se que a diferença começa por nós, um voto pode mudar muita coisa. Tire pelo menos um dia antes das eleições para pesquisar melhor as propostas e a ficha dos candidatos. Leva pouco tempo e muda muita coisa. Se você estiver com preguiça de pesquisar, leia esse "resumo" que eu fiz, ou pesquise alguns resumos em outros sites/blogs.



Barra entre coisas do lado
Um pouco sobre eles:
(Todos esses dados foram pegos no wikipédia, logo, não sei se tudo que tem aí é verdade, por isso, repito: pesquisem)

José Serra:

José Serra (São Paulo, 19 de março de 1942) é um economista e político brasileiro, filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Em 2006 foi eleito governador do estado de São Paulo, sendo até hoje o único eleito em primeiro turno.

Ocupou o cargo de governador do estado no período de 1 de janeiro de 2007 até 2 de abril de 2010, quando renunciou ao cargo para se candidatar pela segunda vez à Presidência da República. Serra já exerceu também os mandatos de deputado federal constituinte (1987-1991), deputado federal (1991-1995) e senador (1995-2003), os cargos de secretário de Planejamento de São Paulo (1983/1986), ministro do Planejamento e Orçamento (1995-1996), ministro da Saúde (1998-2002) e ainda prefeito de São Paulo (2005-2006). José Serra foi candidato à Presidência da República pela coligação PSDB-PMDB em 2002, tendo sido derrotado no segundo turno por Luís Inácio Lula da Silva.

Serra é o candidato do PSDB à Presidência da República nas eleições brasileiras de 2010,[1] depois de ter se tornado o único pré-candidato do partido diante da desistência oficial de Aécio Neves (PSDB-MG), anunciada em 17 de dezembro de 2009
Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.

Serra nasceu numa pequena casa de quarto e sala, geminada a outras 24, numa rua sem saída, onde o filho tinha que dormir na sala. Seu pai, semianalfabeto, que era vendedor de frutas no Mercado Municipal, evitava que o filho o ajudasse, deixando-o se concentrar nos estudos. Serra, entretanto, eventualmente ia trabalhar na banca de frutas. Mudaram-se depois para uma casa maior, de dois quartos, numa rua sem asfalto no mesmo bairro, ao lado de uma fábrica. Quando o filho já estava no ensino médio, mudaram-se para um apartamento alugado no bairro do Ipiranga. Apesar dos ganhos modestos de uma família de classe média baixa, foi o suficiente para que o filho chegasse à faculdade sem precisar trabalhar.

Tendo feito curso pré-vestibular junto com o último ano do científico, ingressou, em 1960, no curso de engenharia civil da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - (Poli-USP).

(Tem muito mais coisas sobre ele no wikipédia)



Dilma Rousseff:

Dilma Vana Rousseff (Belo Horizonte, 14 de dezembro de 1947) é uma economista e política brasileira, filiada ao Partido dos Trabalhadores (PT). Foi ministra-chefe da Casa Civil durante o Governo Lula, e é a candidata do partido à Presidência da República, em 2010.

Nascida em família de classe média alta e educada de modo tradicional, interessou-se pelos ideais socialistas durante a juventude, logo após o Golpe Militar de 1964. Iniciando na militância, passou para a luta armada contra o regime militar, integrando organizações como o Comando de Libertação Nacional (COLINA) e a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR Palmares). Passou quase três anos presa entre 1970 e 1972, primeiramente na Opan (onde passou por sessões de tortura) e depois no DOPS.
Reconstruiu sua vida no Rio Grande do Sul, onde junto com o companheiro por mais de trinta anos, Carlos Araújo, ajudou na fundação do Partido Democrático Trabalhista (PDT) e participou ativamente de diversas campanhas eleitorais. Exerceu o cargo de secretária municipal da Fazenda de Porto Alegre no governo Alceu Collares e mais tarde foi secretária estadual de Minas e Energia, tanto no governo de Alceu Collares como no de Olívio Dutra, no meio do qual se filiou ao Partido dos Trabalhadores (PT) em 2001.
Participou da equipe que formulou o plano de governo na área energética na eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência da República em 2002, onde se destacou e foi indicada para titular do Ministério de Minas e Energia. Novamente reconhecida por seus méritos técnicos e gerenciais, foi nomeada ministra-chefe da Casa Civil devido ao escândalo do mensalão, crise que levou à renúncia do então ministro José Dirceu. Foi considerada pela Revista Época uma dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.

(Tem muito mais coisas sobre ela no wikipédia)

Marina Silva:

Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima (Rio Branco, 8 de fevereiro de 1958) é uma política brasileira, ambientalista e pedagoga, filiada ao Partido Verde.

Marina Silva se afastou recentemente das funções de senadora pelo Acre, devido às suas ocupações como candidata do Partido Verde à Presidência da República em 2010.

Nasceu em uma "colocação" (casas de seringueiros, geralmente construídas sobre palafitas) chamada Breu Velho, no seringal Bagaço, a 70 km do centro de Rio Branco, capital do estado do Acre. Seus pais, Pedro Augusto e Maria Augusta da Silva, tiveram onze filhos, dos quais oito sobreviveram.

Aos quinze anos, ela foi levada para a capital, com uma hepatite confundida com malária. Teve a proteção do então bispo do Acre, Dom Moacyr Grechi, que a acolheu na casa das irmãs Servas de Maria. Analfabeta, Silva foi matriculada no Mobral, projeto de alfabetização do regime militar. Seu primeiro trabalho foi de empregada doméstica.

É casada com o técnico agrícola Fábio Vaz de Lima e tem quatro filhos. Apesar de ter sido educada no catolicismo, hoje ela professa o cristianismo evangélico, sendo membro da Assembleia de Deus.

Em 1981 entrou na Universidade Federal do Acre, onde formou-se em História. Se abrigava no Partido dos Trabalhadores, sob o comando do deputado José Genoíno.

Foi professora na rede de ensino de segundo grau e engajou-se no movimento sindical. Foi companheira de luta de Chico Mendes e com ele fundou a Central Única dos Trabalhadores (CUT) do Acre em 1985, da qual foi vice-coordenadora até 1986. Nesse ano, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT) e candidatou-se a deputada federal, porém não foi eleita.

Em 1988, foi a vereadora mais votada do município de Rio Branco, conquistando a única vaga da esquerda na câmara municipal. Como vereadora, causou polêmica por combater os privilégios dos vereadores e devolver benefícios financeiros que os demais vereadores também recebiam. Com isso passou a ter muitos adversários políticos, mas a admiração popular também cresceu.

Exerceu seu mandato de vereadora até 1990. Nesse ano candidatou-se a deputada estadual e obteve novamente a maior votação. Logo no primeiro ano do novo mandato descobriu-se doente: havia sido contaminada por metais pesados quando ainda vivia no seringal.

Em 1994 foi eleita senadora da República, pelo estado do Acre, com a maior votação, enfrentando uma tradição de vitória exclusiva de ex-governadores e grandes empresários do estado. Foi Secretária Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do Partido dos Trabalhadores, de 1995 a 1997. Pode-se dizer que se tornou uma das principais vozes da Amazônia, tendo sido responsável por vários projetos, entre eles o de regulamentação do acesso aos recursos da biodiversidade.

Em 2003, com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República, foi nomeada ministra do Meio Ambiente. Desde então, enfrentou conflitos constantes com outros ministros do governo, quando os interesses econômicos se contrapunham aos objetivos de preservação ambiental. Marina afirmou que desde a reeleição do presidente Lula, no fim de 2006, alguns projetos importantes de sua gestão, como a criação de áreas protegidas na floresta amazônica, haviam sido praticamente paralisados. Durante o primeiro governo Lula (2003-2006), foram delimitados 24 milhões de hectares verdes , contra apenas 300 mil hectares em 2007.

Em dezembro de 2006, enfraquecida por uma disputa com a Casa Civil, que a acusava de atrasar licenças ambientais para a realização de obras de infra-estrutura, a ministra avisara que não estaria disposta a flexibilizar a gestão da pasta para permanecer no governo.

Ultimamente agravaram-se as divergências com a ministra Dilma Rousseff da Casa Civil pela demora da liberação das licenças ambientais pelo Ibama para as obras no rio Madeira, em Rondônia. Essa demora e o rigor na liberação das licenças foram considerados como um bloqueio ao crescimento econômico.

Marina Silva também denunciou pressões dos governadores de Mato Grosso, Blairo Maggi, e de Rondônia, Ivo Cassol, para rever as medidas de combate ao desmatamento na Amazônia.

Em 13 de maio de 2008, cinco dias após o lançamento do Plano Amazônia Sustentável (PAS), cuja administração foi atribuída a Roberto Mangabeira Unger, Marina Silva entregou sua carta de demissão ao Presidente da República, em razão da falta de sustentação à política ambiental, e voltou ao exercício do seu mandato no Senado.

Fatos relevantes

  • Em 1996 recebeu o Prêmio Goldman do Meio Ambiente pela América Latina e Caribe, nos Estados Unidos.
  • Em 2007, por meio da Medida Provisoria 366, a ministra Marina Silva desmembrou o Ibama e repassou a gestão das unidades de conservação da natureza federais para o Instituto Chico Mendes.
  • Também em 2007, recebeu o maior prêmio das Organização das Nações Unidas (ONU) na área ambiental - o Champions of the Earth (Campeões da Terra) - concedido a seis outras personalidades: o ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore; o príncipe Hassan Bin Talal, da Jordânia; Jacques Rogge, do Comitê Olímpico Internacional (COI); Cherif Rahmani, da Argélia; Elisea "Bebet" Gillera Gozun, das Filipinas, e Viveka Bohn, da Suécia.
  • Em 1 de abril de 2009, ganhou o prêmio norueguês Sofia, de 100 mil dólares, por sua luta em defesa da floresta amazônica. "Ela reduziu o desmatamento na Amazônia para níveis historicamente baixos - 59 por cento, de 2004 a 2007", informou a fundação. Áreas enormes foram conservadas, mais de 700 pessoas foram presas por atividades ilegais na floresta, mais de 1.500 empresas foram fechadas, e equipamentos, propriedades e madeira ilegal foram apreendidos. Ela também se preocupou com as populações indígenas". Durante os três anos de Marina Silva no governo, o desmatamento foi reduzido para o segundo nível mais baixo em 20 anos, de acordo com a Fundação.
  • Em 10 de outubro de 2009, recebeu o prêmio Mudanças Climáticas, oferecido pela Fundação Príncipe Albert II de Mônaco.
  • Foi considerada pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.
  • Foi considerada um dos 100 maiores protagonistas do ano de 2009 pelo jornal espanhol El País
  • Em 2010, já como pré-candidata à Presidência da República, Marina Silva, que é membro da Assembleia de Deus, declarou-se contra o casamento gay, por considerar que a instituição do casamento se aplica apenas a "pessoas de sexos diferentes".
  • Diante da polêmica gerada pelas suas declarações, Marina Silva resolveu amenizar sua fala e afirmou ser a favor da união civil “de bens” entre homossexuais.
(Eu sei que eu falei um pouquinho demais dela rsrs XD, mas...tem muito mais coisas sobre ela no wikipédia)

Barra entre coisas do lado
Propostas

Marina Silva:

Educação – Um dos temas prioritários. A intenção, óbvia, é melhorar a educação e erradicar o analfabetismo. O programa prevê aumento de recursos da pasta. “Não há como melhorar a educação sem a valorização do professor, e isso inclui aumento salarial”. O aumento salarial estaria, no entanto, vinculado a um sistema de metas para a educação. Aqueles profissionais que cumprissem as metas a serem estabelecidas receberiam mais dinheiro e algum tipo de reconhecimento público.

Saúde – Também área prioritária, deve receber aumento de recursos condicionados ao cumprimento de metas, como na educação.

Economia – O programa propõe a redução da taxa de juros para estimular os investimentos e a redução dos gastos públicos para um patamar que não ultrapasse metade do PIB brasileiro. “Tudo indica que hoje há no governo um ‘empreguismo’ que vamos combater”. A política de anistia fiscal também será endurecida. “Hoje recebe anistia empresários que não precisam de ajuda e que estão na verdade tendo lucro. Não dá pra admitir”.

Banco Central – Defesa de uma instituição independente. “A pessoa escolhida como presidente do Banco Central será idônea, sem intenções eleitorais e com perfil técnico. Não haverá subordinação das decisões econômicas às questões políticas. As decisões serão meramente técnicas e econômicas”.

Transporte – Será dada ênfase ao transporte público. Além de investimentos em expansão da malha de trens e metrôs e da frota de ônibus, o objetivo do programa é reduzir as tarifas do transporte público. “Você não vai tirar o carro do ricaço da rua, não tem jeito. Mas o sujeito de classe média faz a conta. Se ele perceber que vale mais a pena pegar o transporte público do que gastar com gasolina e manutenção do carro, ele dará prioridade ao público”. Não está claro ainda como será feita a redução de tarifas. O governo federal não deverá prover subsídios, mas a campanha irá pensar em modos para ajudar os municípios a financiar esses custos. Apenas um aumento de eficiência no transporte, obtido com investimentos, já seria capaz de reduzir os custos, sem a necessidade de subsídios.

Moradia popular – O governo federal estimulará os municípios a obter terrenos a baixos custos para construir casas populares. Para isso, eles deverão lançar mão da criação de Zonas Especiais de Interesses Sociais (áreas da cidade determinadas como próprias para habitação popular) e da construção compulsória em áreas ociosas, ambos mecanismos previstos no Estatuto das Cidades e que reduzem muito o preço dos terrenos. Uma vez obtida a área a baixo custo, o estado vai instalar infra-estrutura no local, especialmente saneamento básico. Para pessoas com terreno barato e estruturado, os bancos públicos deverão dar financiamentos mais facilitados e mais baratos.

Agricultura – O programa prevê o fim da expansão da fronteira agrícola (“não pode em nome da soja a gente defender a devastação do meio ambiente”) e fomento da agricultura familiar.

Política externa – O programa não avança muito. Resume-se à preservação da paz, respeito aos direitos humanos e a não-intervenção em outros países. Afirma que não está decidido ainda se uma gestão Marina continuaria a pleitear um assento permanente no conselho de segurança da ONU.
Fonte.

Dilma Rousseff:

Programas Sociais
Manter e aprofundar a principal marca do governo Lula - seu olhar social -, ampliando programas como o Bolsa Família e implantando novos programas com o propósito de erradicar a miséria na década que se inicia.

Educação de Qualidade
Priorizar a qualidade da educação, contemplando medidas como o treinamento e a remuneração de professores; bolsas de estudo e apoio para que os alunos não sejam obrigados a abandonar a escola; e salas de aula informatizadas e com acesso à banda larga.
Proteger as crianças e os mais jovens da violência, do assédio das drogas e da imposição do trabalho em detrimento da formação escolar e acadêmica. E, simultaneamente, oferecer aos jovens a oportunidade de começar a vida com segurança, liberdade, trabalho e a perspectiva de realização pessoal.
Ampliar e disseminar pelo Brasil a rede de creches, pré-escolas e escolas infantis.

Saúde Para Todos
Aprimorar a eficácia do sistema de saúde, garantindo mais recursos para o SUS, reforçando as redes de atenção à saúde e unificando as ações entre os diferentes níveis de governo; dedicando uma atenção ainda maior aos hospitais públicos e conveniados, as novas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), ao SAMU e a programas como o Saúde da Família, o Brasil Sorridente e a Farmácia Popular.

Reforma Urbana
Colocar todo o empenho do Governo Federal, junto com estados e municípios, para promover uma profunda reforma urbana, que beneficie prioritariamente as camadas mais desprotegidas da população.
Melhorar a habitação e universalizar o saneamento. Implantar transporte seguro, barato e eficiente. E reforçar os programas de segurança pública.

Meio Ambiente
Fortalecer a proteção ao meio ambiente, reduzindo o desmatamento e impulsionando a matriz energética mais limpa do mundo; mantendo a vanguarda nacional na produção de biocombustíveis e desenvolvendo nosso potencial hidrelétrico; e cumprindo as metas voluntárias assumidas na Conferência do Clima, haja ou não acordo internacional.

Indústria, Agricultura e Inovação
Aprofundar os avanços da política industrial e agrícola, enfatizando a inovação, o aperfeiçoamento dos mecanismos de crédito e o aumento da produtividade.
Agregar valor a nossas riquezas naturais e produzir tudo o que pode ser produzido no Brasil.
Continuar mostrando ao mundo que é possível compatibilizar o desenvolvimento da agricultura familiar e do agronegócio. Assegurar crédito, assistência técnica e mercado aos pequenos produtores e, ao mesmo tempo, apoiar os grandes produtores, que contribuem decisivamente para o superávit comercial brasileiro.

Transparência
Manter a transparência dos gastos públicos e aperfeiçoar seus mecanismos de controle. Combater a corrupção, utilizando todos os mecanismos institucionais.
Concretizar, junto com o Congresso, as reformas institucionais que não puderam ser completadas ou foram apenas parcialmente implantadas, como a reforma política e a tributária.
Aprofundar a postura soberana do Brasil no mundo, defendendo intransigentemente a paz mundial e uma ordem econômica e política mais justa.
Manter o equilíbrio fiscal, o controle da inflação e a política de câmbio flutuante.
José Serra:
Não achei claramente as propostas do Serra em nenhum canto da internet, o site dele estava dando erro ¬¬, quando achei que tinha achado, precisava se cadastrar para ver as propostas. ???? Como assim? O povo tem que se cadastrar para ver as propostas é??

Se alguém quiser se cadastrar para ver o site é esse: http://www.propostaserra.com.br/
E achei algumas em vídeo: Clique aqui para ver.

(Só sei que ele ainda disse que ia DOBRAR o bolsa família. Por que será que ele fez isso? ¬¬)

Ou como disseram de (agora tem algumas de Serra) na segunda (5) no dia do prazo para os candidatos apresentarem ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral):

As propostas de Dilma

Emenda 29 ''Assumo o compromisso de lutar pela emenda 29, sobretudo considerando os princípios de universalização de melhoria na qualidade da saúde. Não sou pessoa que me presto a demagogia. Quando se trata de questões tão relevantes como a saúde da população brasileira, sabemos que houve uma perda de R$ 40 bilhões quando a CPMF foi extinta'' [Ao participar da 13ª Marcha Nacional de Prefeitos]
Infraestrutura "Não podemos ficar só com o BNDES... Vamos ter que mobilizar todos os recursos financeiros que nós dispomos... Não se faz política de infraestrutura baseado no Orçamento da União, dos Estados e Municípios. Tem que completar com financiamentos de longo prazo" [Em encontro com empresários e investidores, em 10.5.2010, promete aumentar a captação de recursos para projetos de infraestrutura]
Novo ministério ''É preciso dar suporte a pequenas, médias e micro empresas e eu quero criar um ministério específico para elas. O fortalecimento dessas empresas dará mais robustez, não só ao tecido econômico, mas também ao tecido social brasileiro'' [Na sabatina da Confederação Nacional da Indústria (CNI)]
Área social "Do ponto de vista do projeto que represento, achamos que acabamos com a miséria na próxima década" [20.4.2010]
Reforma política ''Sou a favor de uma reforma política, para que haja financiamento público de campanha, voto em lista, para que haja um reforço dos partidos. (...) Seria prudente que fosse por uma Constituinte exclusiva pra tratar dessa questão'' [Roda Viva, em 27.06.2010]
Saúde ''Nos remédios é um absurdo a tributação. É uma questão até de justiça social, de sobrevivência da população, reduzir a tributação sobre o remédio e assegurar que haja uma redução no preço. Muitas vezes você tira o imposto e não diminui o preço. Então, temos que fazer as duas coisas: tirar o imposto e garantir que se reduza o preço do remédio'' [Em entrevista à Rádio Tupi,e m 26.05.2010]

As propostas de Serra

Bolsa Família "Dar continuidade ao Bolsa Família" [Em entrevista a uma rádio no Ceará]
Segurança "Criar o Ministério da Segurança Pública, concentrado só em tarefas da segurança" [Em entrevista ao programa Brasil Urgente, na Band]
Reformas "O atual governo não conseguiu, mas eu me proponho a fazer. Até porque é uma área que conheço bastante" [Sobre a reforma tributária, em 11.05.2010]
Redução do ICMS “Acho que o governo federal tem que se jogar nisso, ativamente, nessa negociação. Ter uma ação nessa direção para termos uma alíquota única. A unificação poderia ser num nível bem mais baixo do que a média aritmética de hoje, eu defenderia os 12% como alíquota única no país” [Ao participar da entrega do prêmio Top Etanol]
Emenda 29 "Vamos fazer a regulamentação. Se for eu, se eu tiver a oportunidade, como espero, vamos fazer no começo do ano [2011]" [No 26º Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, em Gramado]
Área social "Se der uma bolsa de manutenção, [os estudantes] podem ter mais facilidade de deslocamento. Agora tem que amploar muito a oferta, inclusive em parcerias com os governos" [Ao participar do encontro Brasil, a construção da 5ª maior economia do mundo, promovido pela revista Exame, em 31.05.2010]
Educação "(...) Para isso deixei para anunciar aqui, na Convenção do PTB, o partido que consolidou as leis trabalhistas do Brasil, um dos meus projetos para o país, que é a criação deste ProUni do ensino técnico, que será o ProTec, em que oferecemos bolsas bolsa para que um aluno, em determinada região, possa ir para a escola particular do ensino técnico com bolsa do governo. (...)". [Na convenção nacional do PTB, em 19.06.2010]

As propostas de Marina

Educação “A Conferência Nacional da Educação propôs um sistema único de educação. Eu acho que é uma saída. Da mesma forma que temos o SUS [Sistema Único de Saúde], vamos ter o Sistema Único da Educação, que pense a educação desde a educação infantil até a universidade” [Ao participar da 13ª Marcha Nacional de Prefeitos]
Reformas "Eu vou tentar chamar uma constituinte exclusiva para fazer as grande reformas [tributária, trabalhista e da previdência] que o Brasil precisa. Essa proposta nem é minha, é uma proposta do Pedro Simon, que é um grande jurista" [Ao participar do Painel da RBS, em 18.05.2010]
Área Social Criar o programa de terceira geração, integrando todos os programas sociais em um cadastro único a ser administrado pelo Ministério do Desenvolvimento Social. [Em coletiva para apresentar o Programa de Terceira Geração, em 03.06.2010]
Meio Ambiente "Aumentar impostos para indústrias poluentes e adotar incentivos para empresas e famílias se adaptarem às mudanças para redução de emissões de gases estufa... Cobrar royalties maiores das mineradoras..." [13.4.2010]
Economia "Manter o tripé da política macroeconômica - metas de inflação, superávit primário e câmbio flexível" [Em entrevista à Band News, 26.5.2010]
Outros Substituição de toda a frota de táxis do país por carros elétricos e a abertura de conteúdos de empresas de comunicação na internet em troca de incentivos fiscais do Estado. [Propostas inclusas no programa de governo do PV]



Barra entre coisas do lado
Entrevista com os candidatos pela emissora Globo no Jornal Nacional:
Os candidatos a Presidência da República foram entrevistados no Jornal Nacional pelos apresentadores William Bonner e Fátima Bernardes. Marina Silva (PV), foi entrevistada ao vivo na terça-feira (10), Dilma Rousseff (PT) foi entrevistada na segunda-feira (9) e José Serra (PSDB) foi entrevistado na quarta-feira (11). A ordem das entrevistas foi definida em sorteio.

Dilma Rousseff (09/08/10)
 
Marina Silva (10/08/10)
 
José Serra (11/08/10)
 
  Barra entre coisas do lado
Escândalos

José Serra:
(Essas palavras não são minhas, a fonte é esse site
 
1-) Em 2009 registrou piora generalizada nos índices de crimes no Estado de São Paulo. Os roubos alcançaram o mais alto valor da série histórica, com 257.004 ocorrências, 18% acima do ano anterior. O recorde de roubos havia sido alcançado em 2003, quando foram registrados 248.406 casos. Também cresceu o total de casos de latrocínios, sequestros, roubo e furto de veículos. Para piorar, a violência policial também aumentou. (Fonte: Estadão)

4-) São Paulo é o Estado brasileiro com o maior número de pedágios e onde seu número mais cresce. Em 1997, existiam apenas 40 praças, todas sob gestão estatal. Nos anos seguintes, a política de concessão das rodovias para a iniciativa privada praticada pelos governos do PSDB multiplicou por 5,5 o número de pedágios e hoje eles são 225. E a ameaça continua, pois Serra já anunciou que seu número vai aumentar. Desde que tomou posse, ele criou 82 novas praças de pedágio. A arrecadação de pedágios nas rodovias paulistas vai atingiu R$ 4,55 bilhões em 2009, nível recorde, 17,3% superior ao arrecadado em 2008. Os dados são da Artesp (Agência de Transportes do Estado de São Paulo). (Fonte: Folha e SMABC)

5-) Em 1988, Walter Fanganiello Maierovitch era juiz da 2ª Zona Eleitoral de São Paulo. Flavio Bierrenbach, hoje Ministro do Tribunal Superior Militar, no dia 29 de outubro de 1988 foi ao horário eleitoral gratuito e faz a seguinte declaração: “No dia 15 de novembro, João Leiva vai ter que derrotar dois Malufs. Um Maluf todo mundo conhece, aquele que nasceu no lodo da ditadura. O outro, poucos conhecem. José Serra entrou pobre como Secretario do Planejamento de Franco Montoro e saiu rico”. Serra abriu um processo contra Bierrenbach por calúnia, difamação e injúria. Este processo foi parar nas mãos do juiz Maierovitch. Foi quando Bierrenbach entrou com recurso pedindo “exceção da verdade”, ou seja, queria provar que o que ele disse era verdade. O juiz Maierovitch recebeu o recurso e encaminhou os pedidos para ter acesso à declaração de renda de Serra à Receita Federal, à movimentação de contas em bancos, à prestação de contas de Serra à Justiça Eleitoral, à convocação de testemunhas. Após várias manobras, Serra conseguiu travar o processo na justiça para não ser investigado. (Fonte: PHA)

6-) O governo tucano, dominante em São Paulo, barra todas as CPI’s que tentam investigar possíveis desvios na sua gestão. Dos 83 engavetamentos de CPI na Assembléia Paulista, 70 aconteceram na gestão Geraldo Alckmin, e 13 no atual governo. Sob Serra, os pedidos de investigação não obtiveram sequer o número de assinaturas necessárias para que as CPIs fossem protocoladas. Entre elas estão a CPI da Máfia caça níqueis, a CPI das Estatísticas criminais, que buscavba investigar a omissão de dados da violência no Estado; a CPI do Baixo desempenho escolar; a dos Cartões corporativos que tinha como alvo de investigação os gastos de R$ 108 milhões, "aplicados" até em casas noturnas; a CPI das Ongs no Governo Alckmin (60 contratos sem licitação e prejuízo de R$ 80 milhões); a CPI das Rodovias, para investigar as privatizações tucanas e os pedágios mais caros do país; a CPI da Alstom, que envolve contratos bilionários da multinacional francesa com o governo paulista; além de várias outras. (Fonte: Vermelho)

7-) Recentemente, os professores da rede estadual decidiram paralisar as escolas.  O protesto foi motivado pela proposta, feita pelo governo, de incorporar as gratificações ao salário dos professores. Com esse projeto, o reajuste salarial da categoria ficaria em apenas 0,27% para professores até a 4ª série do ensino fundamental, além de 0,59% para os professores da 5ª série do ensino fundamental ao ensino médio. Em outro local, os servidores da saúde também fizeram uma passeata pela manhã e entraram em “estado de greve". Além de reajustes, eles reclamam que Serra promove um sucateamento do sistema em todo o estado. Segundo a categoria, as terceirizações no sistema prejudicam servidores e pacientes. Foi adotado o estado de greve, e os trabalhadores se preparam para montar um calendário com as paralisações. Os policiais também ameaçam com paralisações. (Fonte: Vermelho)

8-) No estado de São Paulo, até o final de janeiro, cerca de 70 pessoas já haviam morrido em decorrência dos desabamentos e afogamentos; 132 cidades paulistas tinham sido atingidas por inundações e desmoronamentos; bairros da capital e 26 municípios do interior estavam alagados. Este é o cenário resultante do descaso do governo, que passou a investir mais em publicidade do que em obras. De acordo com dados do Orçamento do Estado, em 2010 houve redução de 20% nas operações de combate a enchentes. Em 2009, foram previstos R$ 252 milhões; já em 2010, estão estimados R$ 200 milhões – uma queda de R$ 51,5 milhões. “Os números revelam que será cortado quase o dobro do valor dos atuais contratos para desassoreamento da calha do Rio Tietê, que somam R$ 27,2 milhões. O orçamento estadual também prevê menos investimentos em serviços e obras complementares da Bacia do Alto Tietê. O corte proposto para 2010 é de 61%. Já no Departamento de Água e Energia Elétrica, órgão do governo responsável pelas obras da calha do Tietê, foi previsto um corte de R$ 20,3 milhões. (Fonte: Blog do Miro)

9-) Sucateamento do ensino estadual. O salário que um professor doutor recebe hoje é cerca de R$ 6.300,00, mas, o que chega efetivamente às suas mãos, após desconto da previdência e do imposto de renda, fica em torno de R$ 4.500,00. Nada que dignifique um profissional que, tipicamente, passou mais de seis anos completando sua formação universitária em nível de pós-graduação. Na briga por alunos, as faculdades privadas sabem que devem apostar na qualidade de seus professores; logo, vão buscar os talentos das universidades públicas. Em várias faculdades públicas já estão faltando professor. As universidades públicas correm, assim, o risco de não mais atrair os melhores alunos e, aí, está selado o sucateamento definitivo. Os funcionários da USP foram protestar por melhores salários. A reação de José Serra? Mandar a cavalaria para cima dos estudantes e professores, gerando um vergonhoso conflito no campus onde algumas pessoas saíram feridas. (Fonte: Folha, UOL e ADUSP)

Veja mais: Escândalos de Serra


Dilma Rousseff:

1-) Cartões Corporativos
No início de 2008, ministros do governo Lula foram apanhados pagando despesas privadas com dinheiro público, através de cartões corporativos. Episódio que ficou conhecido como o “escândalo da tapioca”.

Em 16 de fevereiro daquele ano, jantando com 30 industriais, a ministra Dilma afirmou que “o governo não vai apanhar calado”. E revelou que as contas do governo anterior sofreriam uma devassa.
Dias depois começou a circular o famoso dossiê com os gastos do ex-presidente Fernando Henrique e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso.

Confrontada com os fatos, Dilma afirmou que se tratava de um banco de dados para organizar as despesas com cartão corporativo, a fim de responder à CPI dos Cartões – que sequer tinha sido instalada.

Mesmo depois da publicação do dossiê, restando provado que tinha sido fabricado na Casa Civil, Dilma continuou jurando de pés juntos que se tratava de um banco de dados.

2-) Curriculo falsificado
O segundo episódio que confrontou Dilma Rousseff com a realidade aconteceu recentemente. Foi o caso do currículo falsificado.

Descobriu-se que, na Plataforma Lattes do CNPq, que abriga currículos de professores universitários e pesquisadores de pós-graduação, o currículo de Dilma Rousseff registrava um mestrado e um doutorado em economia. Até o título da tese de mestrado estava lá.

Este currículo estava também estampado nas páginas do Ministério das Minas e Energia e da Casa Civil.
Era falso. Dilma Rousseff não concluiu o mestrado, não defendeu tese. Não concluiu o doutorado. Não defendeu tese.

Confrontada com a realidade, ela reagiu dizendo que não sabia quem tinha invadido a Plataforma Lattes e as páginas do governo para escrever mentiras no seu currículo.
Para inscrever o currículo na Plataforma Lattes é necessário uma senha individual. Tudo bem, um hacker poderia ter invadido as páginas. Invadem até o site do Pentágono!

Mas a ministra Dilma Rousseff compareceu duas vezes ao programa Roda Viva, da TV Cultura, em 2004 e em 2006. O vídeo dos dois programas circula na internet.
Para os que não estão familiarizados com o programa, no início o âncora lê o currículo do convidado. Nos dois o jornalista Paulo Markun lê o currículo falso de Dilma Rousseff.
E ela ouve sem mover um músculo. Impassível. Nem pisca.
Depois de apanhada, mandou retirar das páginas do governo as menções a um mestrado e um doutorado. Falsos.

3-) Pedido para acelerar investigações sobre Sarney
Ainda tem outros escândalos envolvendo Dilma. A ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, cuja demissão nunca foi bem explicada, afirmou que foi chamada para uma conversa com a ministra-chefe da Casa Civil. No encontro a ministra lhe pediu que “acelerasse” as investigações sobre a família Sarney.

A ex-secretária Lina Vieira entendeu que era para encerrar as investigações. Um processo desses é longo, e acelerar pode muito bem significar “acabar rapidinho”.

Dilma poderia dizer que tinha encontrado a ex-secretária, mas que tinham conversado sobre outros assuntos. Poderia dizer que tinha sido um encontro informal, por isso não estava na agenda de nenhuma das duas.

Isto é comum entre autoridades. Semana passada mesmo, o presidente Lula recebeu, fora da agenda, o senador Fernando Collor.

Mas não, Dilma Rousseff reagiu como Dilma Rousseff: autoritária, peremptória, categórica. Segundo ela, jamais teve uma conversa individual com a ex-secretária da Receita.

Mas Lina Vieira confirmou o encontro, em entrevista ao Jornal Nacional. E citou como testemunhas o motorista da Receita, sua chefe-de-gabinete e, mais importante, a principal assessora de Dilma Rousseff, Erenice Alves Guerra – aliás, envolvida também na elaboração do dossiê com as despesas de Fernando Henrique e Ruth Cardoso.

Diante disso ou Lina Vieira está mentindo ou Dilma Rousseff está moralmente obrigada a processá-la por danos morais.

Ou bem Lina Vieira está falando a verdade. E neste caso, Dilma Rousseff cometeu crime de prevaricação, quando um agente público toma conhecimento de um ilícito, ou propõe um ilícito e não tenta coibi-lo, para tirar proveito próprio.

E qual seria o proveito próprio? O apoio do PMDB à sua candidatura em 2010.

O agravante no caso da ministra Dilma é que, se Lina Vieira estiver dizendo a verdade, trata-se de interferência direta da ministra numa investigação muito séria, que envolve a Receita Federal e a Polícia Federal.

Dilma Rousseff ambiciona a presidência da República. Tem todo o direito.

Mas tem também o dever de dizer a verdade, esclarecer os fatos, para não entrar numa campanha que é tradicionalmente muito dura -- mas o prêmio é alto -- como alguém que tem relações cerimoniosas com a verdade.

Veja mais:
As confusas explicações de Dilma
Yahoo Answers: Dilma rousseff tem algum escandalo de corrupção?

Marina Silva:

EU não achei nenhum escândalo em que ela tivesse relacionada.

A única coisa que eu ouvi sobre ela foi "O escândalo possível são suas idéias esquerdopatas e retrógradas. Mesmo no governo do Molusco ela poderia ter conciliado a luta conservacionista com o desenvolvimento sustentável e liberar licenças estratégicas de hidreelétricas, por exemplo." (Fonte). Mas não achei muita coisa a respeito, se alguém souber de algo, por favor deixe nos comentários.

Veja mais:
Marina fala sobre por que saiu do PT


Debate na Band










Sites dos Candidatos:
José Serra / Twitter

Barra entre coisas do lado
"Reclamar que o Brasil não anda é muito fácil. Difícil é pesquisar a vida dos nossos representantes." Faça a sua parte ;).

10 comentários:

  1. O post ficou bem bagunçado mesmo, mas para aqueles que estão boiando e não sabem o que fazer, talvez incentive a busca pela informação.

    Em relação ao assunto eu discordo de você, eu não acredito em nenhum dos 3 principais Presidenciáveis, em relação a Marina, de todos os males do país, a última coisa que ele precisa é de uma ambientalista que não tem NENHUMA experiência pra comandar algo.

    Essa semi-analfabeta PTista da Dilma até 'ontem' não era ninguém, fica iludindo achando que os programas criados pelo governo do Lula estão a mil maravilhas e que vai continuar ficando, isso me lembra muito uma outra dupla PTista daqui do Recife, o João da Costa e o João Paulo, O Sr JC não era ninguém até o Sr. JP aparecer apoiando ele e deu no que deu, hoje eles estão até brigados, ui.

    José Serra apesar dos alarmantes problemas supracitados no post, é talvez o único com capacidade de governar o pais, por causa de sua experiência, você ali focou nos escandalos, mas o que ele fez de bom por São Paulo também é respeitável, é claro que ele não é nenhuma flor que se cheire, mas é como eu disse não acredito em nenhum dos três, acho burrice votar em branco, vou esperar ele dar a opinião dele em relação ao casamento gay e o aborto somente pra confirmar de vez a minha escolha.

    ResponderExcluir
  2. Ficou mesmo,mas isso se deve ao fato de vc ter simplesmente copiado e colado pra aparecer...como não tem idéias e nem opinião própria,não sabe organizar o texto.Se passasse menos tempo atrás de homem casado,talvez pudesse se tornar tão politizada quanto quer demonstrar. xD

    ResponderExcluir
  3. Nota dez, apesar de bagunçado, deveriamos ter todos a mesma iniciativa que você teve!! Criticar é fácil, mas tirar o chapéu e elogiar...


    Meus parabéns, cara blogueira!!

    só 1 coisa, da pra trocar o esquema de cores do teu blog? ele é meio complicado pra quem tem astigmatismo.

    Força e sempre pra frente!

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigada ^^. Infelizmente ficou bagunçado, mas acho que deu pra entender ne =). Vlw

    Vou ver se mudo as cores do blog. Fica ruim o preto com o verde é?

    ResponderExcluir
  5. Anônimo...Em nenhum momento eu disse que era uma pessoa politizada, tanto é q meu blog é de humor e não de politica. Não sei se voce percebeu!! ¬¬

    Tb nao estou dando a minha opiniao, como eu disse la no comeco do post... Vc tb nao viu isso ne?! Se vc parar pra ler vc vai perceber q eu disse: q apoiava marina, mas coloquei as propostas de TODOS. Logo, não estou dando a minha opiniao.

    Quando vc for falar merda em algum blog, procura algum argumento com sentido né. Pra nao ficar falando besteira em vão ^^.

    E se vc achou eu tao fingida assim, pq tu veio no meu blog? Não precisa ficar aqui nao, pode ver blogs mais politizados, ja q vc é tao bem politizado assim.

    E, sinceramente, eu queria entender de onde veio esse "homem casado"...só pq meu blog fala de sexo tb, vc acha q eu corro atras de homem casado é???

    Muito bobinho vc, quando tiver algum argumento bom e que faça sentido, tu volta aqui e recomenta ta.
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Leandro...
    Realmente Marina nao tem experiencia nenhuma, nao sei se ela saberia tomar conta do pais, Serra parece ser a melhor opção mesmo. Eu nao pesquisei os pontos bons q eles fizeram por isso q nao coloquei oq ele fez por SP, mas tlg q ele fez muita coisa boa la.

    Em relacao a Dilma, concordo com oq vc disse.
    Muito parecido com o caso de JP e Joao da Costa mesmo. Joao da Costa nao era ninguem, mas com o apoio do adorado JP, ele ganhou U_U. Acredito que vai acontecer a mesma coisa com Dilma.

    Conversei com alguns pessoas sobre isso, e é incrivel como as pessoas vao votar nela so pq lula está dizendo pra votar.

    O que Marina falou do Casamento gay, achei ridiculo e preconceituoso, mas é a opiniao dela ne, acho que ela nao vai fazer nada que prejudique nem ajude os gays. Em relação a Serra, vamos ver oq ele vai dizer.

    ResponderExcluir
  7. acho que canditado a presidente não tem apenas os três acima,tem mais,ou seja,seria otimo se tivesse mais informações sobre os outros candidatos.

    ResponderExcluir
  8. Verdade, nao pesquisei sobre os outros candidatos porque os que estao sendo mais falados sao os 3. Nas estatisticas eles nao chegam nem a 1% ¬¬, entao achei melhor pesquisar sobre so os 3. Vou ver se pesquiso coisas sobre os outros, se eu achar coisas que merecem uma atencao eu posto aqui =).

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails